09 outubro 2008

Barragem do Abrilongo

Isto do navegar na net tem destas coisas... encontrei informação sobre umas das mais recentes obras no concelho de Campo Maior, a tão desejada albufeira do Abrilongo!... ora vejam que detalhe tem esta informação, de certo muito boa! Foi retirada de http://forum.g-sat.net/showthread.php?t=100268, por isso, e como é meu apanágio, ficam aqui salvaguardados os direitos de autor! Tenho de referir que alguma informação foi retirada do blog - http://entretejodiana.blogs.sapo.pt/6993.html, da autoria de Júlia Galego.


UTILIZAÇÕES - Rega

LOCALIZAÇÃO 

Distrito - Portalegre
Concelho - Campo Maior
Bacia Hidrográfica - Guadiana
Linha de Água - Ribeira de Abrilongo

CARACTERÍSTICAS HIDROLÓGICAS 

Área da Bacia Hidrográfica - 124 km2
Precipitação média anual - 720 mm
Caudal de cheia - 610 m3/s
Período de retorno - 1000 anos

CARACTERÍSTICAS DA BARRAGEM 

Aterro - Terra zonada
Altura acima da fundação - 29 m
Altura acima do terreno natural - 27 m
Cota do coroamento - 254,7 m
Comprimento do coroamento - 1063 m
Volume de aterro - 494,9 x 1000 m3

DESCARGA DE FUNDO 

Tipo - Em conduta sob o aterro
Secção da conduta - d 800 mm
Caudal máximo - 5 m3/s
Controlo a montante - Comporta vagão
Controlo a jusante - Comporta corrediça
Dissipação de energia - Impacto

DADOS GERAIS

Promotor - IHERA
Construtor - EDIFER
Ano de Conclusão - 2000

CARACTERÍSTICAS DA ALBUFEIRA

Área inundada ao NPA - 2950 x 1000 m2
Capacidade total - 19900 x 1000 m3
Capacidade útil - 18900 x 1000 m3
Nível de pleno armazenamento (NPA) - 252 m
Nível de máxima cheia (NMC) - 253,7 m
Nível mínimo de exploração (Nme) - 241,2 m

DESCARREGADOR DE CHEIAS

Localização - Margem esquerda
Tipo de controlo - Sem controlo
Tipo de descarregador - Canal de encosta
Cota da crista da soleira - 252 m
Desenvolvimento da soleira - 85 m
Caudal máximo descarregado - 420 m3/s
Dissipação de energia - Ressalto


Depois de uma visita a Ouguela, vale a pena seguir pela estrada que conduz a Degolados. É uma estrada estreita, com pouco movimento e mal assinalada. Ao passar pela ponte da Ribeira de Abrilongo, pode observar-se, nesta altura do ano, o forte caudal. Percorrendo com vagar esta estrada, é possível ver e ouvir algumas aves (garças, melros, abibes, algumas águias). Nas propriedades, cercadas, predomina a exploração de gado bovino que pasta tranquilamente por entre o montado de azinheiras.

Montado esparso de azinho. Propriedade cercada.

Chega-se à Barragem de Abrilongo seguindo um desvio à direita. A indicação da existência da barragem não está na estrada principal, mas na que lhe dá acesso.

Esta barragem foi construída na ribeira do mesmo nome, que é afluente do Rio Xévora, estando estas terras integradas na bacia hidrográfica do Rio Guadiana. Faz parte do plano de aproveitamento hidroagrícola do Xévora e foi construída ao abrigo de um Projecto de Cooperação Transfronteiça com a Espanha. Pretendia-se, com esta barragem, introduzir culturas de regadio numa área predominantemente de montado.

Uma das ramificações da albufeira de Abrilongo

No entanto, a barragem está situada na Zona de Protecção Especial (ZPE) de aves selvagens de Campo Maior que inclui o grou (migrante) e aves estepárias como o sisão e a abetarda. Este facto mereceu uma advertência a Portugal por parte da Comissão Europeia que considerou que não foi salvaguardada a ZPE contra os efeitos dos sistemas de irrigação sobre as aves.
A albufeira, que não é muito grande, tem uma riqueza paisagística notável. À volta apenas a casa de um monte. Não podendo cumprir a função para que foi construída – a rega – serve agora para ser admirada e para fruição por pacientes pescadores.
Esperemos que as pessoas que venham a usufruir deste fantástico local o preservem como ele e nós merecemos. Porque muita gente considera que pode usar e sujar, deixando lixos sem qualquer preocupação pelas consequências que esta falta de educação (ambiental) pode causar. 


Desenho da barragem do Abrilongo




Algumas vistas


3 comentários:

J. Galego disse...

João Paulo:
Foi com surpresa que, ao visitar o seu blogue (o que faço com certa regularidade) identifiquei algumas fotos minhas, bem como comentários e informações que escrevi, no dia 1 de Março de 2007. sobre a barragem de Abrilongo, como pode ver no seguinte endereço:
http://entretejodiana.blogs.sapo.pt/6993.html
Lamentavelmente a pessoa que fez a "peça" sobre o Abrilongo não teve a sua ombridade. Não referiu a autoria do texto e das fotos, que intercalou no post que fez sobre a barragem.
Resolvi deixar-lhe esta nota apenas porque também você foi ludibriado com este hábito que vai por aí de copiar textos e fotos sem indicar o nome do autor.
Os meus cumprimentos

Anónimo disse...

Se bem entendi, estamos perante um caso de planificação bem pensada, bem organizada, que resultou num projecto bem executado e com resultados a nível da excelência.
Repare-se como, no fim de tudo, ficou uma maravilha de paisagem.

Zé Camões disse...

Ola muito bom dia.
Tive opurtunidade de passar os olhos no comentário do Sr.J.Paulo e se assim é devo referir que é imprtante citar as fontes, uma vez que incorremos no crime de cópia da propriedade intelectual e artistica.
Sei que o senhor têm muito boas postagens por isso faça uso delas e delicie-nos.
Cumprimentos.